8 Animações africanas online que vão te surpreender! Diversas técnicas, estilos e temáticas mostram que a animação traduz o espírito africano

O que fazer quando a vontade de contar uma história é grande, mas a grana é escassa? Não quero cair aqui naquele erro de estigmatizar a África como o continente da falta, mas todo fazedor de filmes periférico sabe que essa atividade demanda gastos e estrutura que torna a produção muito desgastante. Assim como na Baixada Fluminense, na maioria dos países africanos câmeras e gravador de áudio não brotam do chão arenoso. Nada disso impede que realizadores encontrem uma forma de expressar sua arte com poucos custos e muita imaginação. É através da animação que os jovens cineastas africanos têm a possibilidade de representar suas realidades e inventar novos mundos. O mais legal disso tudo é que podemos ver muitos dos curtas online. Não sabe falar inglês ou francês? Sem problemas, nem tudo está perdido. Em nossa lista, é possível encontrar filmes sem diálogo, com legenda em português e até um curta de Moçambique, país cuja língua oficial é o português.

8 – Kukinga (Congo) – Sem Diálogos

A história de uma mãe que atravessa mil obstáculos para salvar o seu filho. O que mais impressiona nessa animação de Frank Mukunday é justamente a técnica utilizada. Os bonecos do stopmotion são feitos de pedra, a iluminação é a luz de velas e o cenário é constituído por desenhos de giz e sucata. Um dos filmes mais rústicos da nossa lista, mas que chama atenção pelo cuidado com o movimento dos personagens e com o sound design.

7 – It’s Urgent (Congo) – Sem Diálogos

Uma ambulância se contorce por entre os carros no trânsito caótico de uma cidade congolesa. Você nem pode imaginar qual é o final da saga dirigida pelo animador Armel Pululu.

6 – Os pestinhas e o Ladrão de Brinquedos (Moçambique) – Português

Aqui os miúdos também têm vez, opá! Nada melhor do que um filme de um país de língua portuguesa, sem legendas, para mostrar aos pequenos que a África também tem os seus heróis. Eu particularmente, adoro os diferentes sotaques da África lusófona, então sempre será um prazer olhar filmes que são produzidos por essa galera. A animação de Nildo Essá me lembrou muito os desenhos animados da minha infância, algo do tipo Doug ou até mesmo Hora do Recreio.

5 – Ray (Madagascar) – Francês com legendas em EN

Na nossa lista também temos um thriller de ação. A estética de Ray se assemelha à dos videogames de guerra e faz referência à dominação colonial francesa. Pena que a animação de Herizo Ny Aina Ramilijaonina seja tão curta! Você vai ficar curioso pra saber como o personagem principal, o soldado Ray, chegou até a situação em que se encontra.

4 – Kuss Dakar 2035 (Senegal) – Sem Diálogos

Uma nave espacial pousa na capital do Senegal e estabelece contato com curiosos habitantes da cidade. Essa animação de Alioune Badara Mbaye é super divertida!

3 – Hisab (Etiópia) – Legendas em EN

Por que cabras correm de carros, cães correm atrás dos carros e macacos bloqueiam as estradas? Deve ser uma pergunta bastante sensata para quem mora em uma cidade caótica da Etiópia. Essa animação é feita a partir de pinturas em uma única tela, uma verdadeira obra de arte que, através das cores, iluminação, textura e movimento, nos remete à estética impressionista. Nessa fábula do realizador Ezra Wube, sentimo-nos companheiros desses animais, que circulam pela cidade e fazem pequenos favores aos humanos.

2 – Pondering (Bélgica, Burquina Faso) – Francês com legendas em EN

Ficar ou partir em busca do sonho europeu? Essa animação documental mostra o que o povo nas ruas de Burkina Faso, país da África Ocidental, pensam sobre a migração. Frente à crise de migração em massa para a Europa e a morte de milhares de pessoas na tentativa de atravessar o Mar Mediterrâneo, esse curta ganha ainda mais relevância. A mistura de mídias é outro aspecto forte do filme, que mostra que, sim, é possível fazer documentário fugindo da atualidade da imagem documental.

1 – Yellow Fever (Quênia) – legendas em PT

Certamente um dos mais fortes curtas produzidos no continente nos últimos anos, Yellow Fever mistura animação, documentário e cinema experimental de forma tocante. Com o curta, a cineasta Ng’endo Mukii recebeu prêmios nos Estados Unidos, na Polônia, na Nigéria, na França e no Quênia, além de uma menção honrosa no festival de curtas mais importante da Alemanha, o Oberhausen International Film Festival, no ano de 2013. O filme fala sobre mulheres negras que não aceitam sua própria cor, submetendo-se a um ideal de beleza europeu. Aproveitem as legendas em português, pois esse filme é simplesmente sensacional.

Deixe uma resposta